Competências Essenciais para o Século XXI

  • Compartilhe:

O ritmo das mudanças é o mais rápido já alcançado, e a expansão acelerada das TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação) promovem a necessidade de profundas reflexões e transformações em vários contextos e a reconfiguração do modo de trabalhar e competir em todas as atividades.

Vários estudos vêm sendo realizados sobre a temática empregabilidade e o mundo do trabalho, ou sobre as competências necessárias para este novo profissional. As transformações da sociedade contemporânea impõem às instituições de ensino profissional (cursos técnicos, tecnológicos e/ou superiores) um dos maiores desafios que é preparar os jovens para a realidade de um mundo cada vez mais dinâmico, globalizado, criativo, móvel e tecnológico, onde as inovações modificam a maneira como as informações são apresentadas, vivenciadas, experimentadas e apreendidas.

As competências profissionais são entendidas como combinações sinérgicas de conhecimentos, habilidades e atitudes que são revelados quando as pessoas agem diante das situações profissionais com as quais se deparam e servem como ligação entre as condutas individuais e a estratégia das organizações.

Percebe-se a necessidade de uma adequada preparação para enfrentar os desafios impostos pela realidade com o propósito de encontrar uma solução para um problema que sempre permeou o mundo do trabalho e as escolas, que é a relação entre demanda e oferta de profissionais competentes.

As mudanças tecnológicas e organizacionais provocam impactos sobre a estrutura e as relações de emprego, bem como sobre a definição das ocupações, fazendo surgir dentro do mercado de trabalho um novo paradigma, que se desdobra tanto sobre as mudanças organizacionais quanto sobre o novo perfil profissional do trabalhador. O próprio conceito de emprego vem sendo modificado e ajustado à nova realidade que se forma sobre a sociedade de serviços.

Esta nova tendência aponta para um maior volume de contratos de trabalho temporário e flexível, em que os profissionais de uma forma geral terão grandes oportunidades de emprego, se souberem adaptar-se ao mundo globalizado. Esses profissionais deverão ter em mente que a nova configuração do mundo do trabalho implica em um maior nível de qualificação, uma vez que, de fato, os empregos estão se apresentando sob outras formas, com novas necessidades e exigências.

Atualmente enfrenta-se uma das mais profundas crises dos últimos tempos pela falta de profissionais qualificados o que torna um dos principais fatores de risco ao crescimento da economia nos próximos anos. A sociedade pós capitalista tornou-se capaz de produzir muito, com pouca mão de obra. As novas tecnologias permitem melhorar a capacidade de diferenciar os produtos com pequena participação de trabalhadores de baixa qualificação. O futuro aponta para um mundo que busca muita produtividade com pouco trabalho.

O grande desafio do empresariado moderno é inovar rapidamente. As sociedades mais prósperas são as que dominam as várias áreas do saber e é necessário que os jovens sejam protagonistas do autodesenvolvimento, e sejam preparados para concretizar os seus projetos de vida.

Prof. Claudio Milanez: Palestrante, Consultor, Auditor e Coaching Empresarial.

Mestre em Administração – Organizações e Competitividade.

MBA – Excelência em Gestão de Projetos e Processos Organizacionais.

Licenciado em Pedagogia.

Bacharel em Ciências Contábeis.

Bacharel em Administração de Empresas.

Claudio Milanez (claudiomilanez@yahoo.com.br)